• Marcos Paulo Silva

Resíduos descartados irregularmente agravam ocorrências de enchentes e alagamentos

Equipes municipais removeram cerca de 500 toneladas de resíduos dos córregos de Santo André na última semana


As chuvas intensas, tão comuns na época do verão, têm atingido toda a região metropolitana com intensidade desde o final do ano passado. Naturais e necessárias, as chuvas nesta época contribuem para a cheia dos reservatórios de abastecimento hídrico e são importantes para todo o ecossistema, mas as tempestades também trazem um lado ruim, as enchentes, principalmente a áreas e cidades adensadas, e que são agravadas severamente pelo descarte ilegal de resíduos, especialmente em vias públicas e dentro de rios e córregos.

Por meio do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André), Santo André oferece 20 Estações de Coleta que estão preparadas para receber, gratuitamente, resíduos volumosos, entulho e recicláveis e, assim, evitar que estes materiais sigam de forma inadequada e causem obstrução de bocas de lobo e outros equipamentos de drenagem urbana.


Os ecopontos da autarquia estão preparados para receber estes resíduos dos moradores, além de outros, como madeira, telhas de amianto, óleo de cozinha e até roupas em bom estado. Para se ter uma ideia, até novembro do ano passado, as Estações de Coleta receberam 17.559 sofás e colchões e quase 167 toneladas de pneus que, caso não fossem levados até os equipamentos, poderiam chegar aos cursos d’água do município e prejudicar a vazão das águas.

Desde a intensa chuva que atingiu a cidade no dia 28 de dezembro, as equipes de drenagem da Prefeitura de Santo André removeram cerca de 500 toneladas de lixo de córregos, especialmente resíduos inservíveis, pneus e móveis.

A equipe de varrição do Semasa também atua desde o último dia 28/12 na limpeza pós-chuva em alguns pontos da cidade, efetuando a remoção de resíduos acumulados, varrição, raspagem e lavagem de vias, inclusive em apoio aos serviços efetuados pela gerência de drenagem da Secretaria de Manutenção e Serviços Urbanos. Até o momento, já foram removidas 79 toneladas de detritos após as precipitações.

“Ao utilizar as Estações de Coleta e destinar os resíduos de forma correta, além de colaborar com o meio ambiente, permitindo minimizar os impactos dos alagamentos, a população ainda contribui com iniciativas de sustentabilidade e que são muito importantes para a cidade, como o trabalho das cooperativas de reciclagem – que geram renda para 120 famílias – ou o projeto De Volta pra Sala, por exemplo”, explica o superintendente do Semasa, Gilvan Junior.

O entulho oriundo dos restos de construção é outro tipo de resíduo que é comumente disposto ilegalmente nas margens de córregos ou terrenos baldios e que também acaba carregado pela força das águas nos dias de fortes precipitações. Mais de 21 mil toneladas de entulho foram recebidas nas Estações de Coleta e tiveram um destino ambientalmente correto.

A lista completa com os endereços e horários de funcionamento dos 20 ecopontos está disponível no site do Semasa, em http://bit.ly/EstacoesColeta.

Preservação, um dever de todos – Além dos ecopontos e da própria coleta porta a porta, as papeleiras, ou lixeiras como são mais conhecidas pela população, também desempenham papel fundamental para evitar o acúmulo de resíduos nas ruas, praças e parques.

Estes equipamentos são um patrimônio público. “Infelizmente, cerca de 40% das lixeiras sofrem com vandalismo anualmente. Quebra, queima, furto e pichações são as principais causas de vandalismo, o que gera ao Semasa um custo anual de R$ 72 mil”, explica o diretor de resíduos sólidos da autarquia, Edinilson Ferreira dos Santos.

O Semasa alerta ainda para a importância de realizar a disposição do lixo em horários próximos ao que o caminhão de coleta passa nos bairros, com o objetivo de evitar que os sacos de lixo possam ser levados indevidamente pelas águas. A cidade é dividida em setores e a coleta porta a porta é realizada em dias diferenciados – para úmidos e recicláveis.

A coleta de resíduos orgânicos é feita três vezes por semana e a coleta seletiva ocorre uma vez por semana. No Centro e no bairro Casa Branca as duas coletas ocorrem de segunda a sábado em razão do grande volume de lixo produzido pela região central da cidade. Os moradores podem conferir os dias e horários do caminhão nos bairros no site http://bit.ly/diacoleta.

eliane-silex-preto-po-90x90cm-01.jpeg.png