• Redação

População volta a participar do planejamento de Diadema

O prefeito José de Filippi Júnior anunciou nesta quarta-feira (dia 5), em live, o início da consulta popular para a construção do Plano Plurianual Participativo, que vai definir o planejamento de Diadema para os próximos quatro anos, de 2022 a 2025.

“É um convite para a cidade retomar o seu direito de participação, pois são os moradores que sabem o que é melhor para Diadema. Ouvindo a população nós vamos aperfeiçoar o plano de governo”, disse. Para ele, a consulta popular é um instrumento de aperfeiçoamento e avanço da administração pública.


Para definir os objetivos e metas da cidade, o morador deve entrar no site participa.diadema.sp.gov.br e fazer suas escolhas. Primeiro, ele vai escolher dois eixos de governo, em cada eixo serão escolhidos dois temas, e em cada tema o morador vai definir duas diretrizes. Se as diretrizes já especificadas no site não forem de seu agrado, ele tem espaço para fazer suas opções.


Essa plataforma virtual vai ser o principal instrumento para ouvir a população. Para quem tem dificuldade de acessar a internet, a partir desta quinta-feira serão instaladas tendas nas regiões da cidade para que as pessoas possam fazer suas escolhas. As tendas percorrerão duas vezes nas onze regiões de Diadema. Nesta quinta feira a tenda será instalada na rua Polônia, no Taboão, na sexta ela estará na rua Luiz Carlos Prestes, no Campanário, e no sábado na av. Dom João VI, no Canhema.


Audiências pública on line


Outro mecanismo de diálogo serão as audiências públicas on line, a serem realizadas entre os dias 10 e 28 deste mês. “Elas terão a tarefa de mobilizar as pessoas para acessarem o site”, disse Fatinha Queiroz, secretária de Planejamento e Gestão e responsável pela coordenação do processo de consulta popular.


Até o final de maio serão realizadas dez audiências públicas com todos os segmentos sociais: conselhos municipais, entidades assistenciais, instituições de ensino, condomínios de moradores, segmentos ligados à juventude, setores religiosos, segmentos sociais compreendendo mulheres, negros, LGBTQIA+ e pessoas com deficiência, usuários de equipamentos públicos e os setores produtivos que reúnem os comerciantes, empresários e sindicatos.


Depois da sistematização de todas essas informações, elas serão enviadas à Câmara Municipal na forma de projeto de lei.


O presidente da Câmara, vereador Josa Queiroz, é um grande entusiasta desse diálogo com a cidade. “Os moradores vão dizer o que é melhor para seu bairro e dessa forma vamos construir soluções de maneira coletiva. É a democratização da participação popular”, comentou.


Filippi disse que a participação popular vai ser a alma do plano de governo: “O povo é quem mais entende a cidade e, com ele, vamos escrever uma nova página da história da nossa Diadema”, concluiu.

eliane-silex-preto-po-90x90cm-01.jpeg.png